Promoção!

Os Sete Pilares da Sabedoria

24.00  21.60 


Alda Rodrigues, Marta Mendonça
9789897830631
07/2020
904
15,3 x 23,3 x 3,9 cms
Capa mole com ilustrações no interior
1163 gr

“Hogarth defendeu que Lawrence tinha o dever histórico de elaborar uma crónica à altura da Revolta Árabe. Lawrence cedeu relutantemente, mas, depois de aceitar esta incumbência, concretizou‑a com a mesma força motriz impressionante que tinha gerado na campanha.» [B. H. Liddell Hart]

“É um dos melhores livros alguma vez escritos em língua inglesa. Como narrativa de guerra e aventura, é inultrapassável.” [Winston Churchill]

“Descreve a Revolta Árabe contra os turcos, vista por um inglês que nela tomou parte. No que seria aparentemente uma simples crónica militar, Lawrence da Arábia teceu um painel inusitado de retratos, descrições, filosofias, emoções, aventuras e sonhos. Para levar a cabo a sua missão, serviu-se de uma extraordinária erudição, uma memória impecável, um estilo que ele próprio inventou… uma total desconfiança em si mesmo e uma fé ainda maior.” [E. M. Forster]

T. E. Lawrence foi “libertador da Arábia, tradutor heroico da Odisseia, asceta, arqueólogo, soldado e grande escritor. […] Negava sono e comida ao seu corpo e as suavidades do afeto à sua alma varonil”, acabando por “recusar a glória e até por recusar o prazer do exercício literário”. [Jorge Luis Borges]

 

SOBRE O AUTOR:
Thomas Edward Lawrence nasceu em Tremadog, no País de Gales, a 16 de agosto de 1888. Foi no verão de 1896 que entrou na City of Oxford High School, onde se formou em 1907. Ainda estudante, interessou-se por história medieval e arqueologia. Em outubro de 1907, matriculou-se no Jesus College, em Oxford, e, no verão de 1909, empreendeu a sua primeira visita ao Médio Oriente, viajando quase sempre a pé entre o norte da Palestina e a região do Eufrates. No outono do ano seguinte, juntou-se à expedição arqueológica que o Museu Britânico organizou para trabalhar nos vestígios hititas de Karkemish, nas margens do Eufrates, onde adquiriu conhecimentos de língua e cultura árabes e conheceu e protegeu o jovem Dahum. No início da Primeira Guerra Mundial, Lawrence apresentou-se como voluntário, acabando por ser admitido como segundo-tenente intérprete. Em dezembro de 1914, foi enviado para o Cairo e integrado no Departamento de Inteligência Militar, depois de o Reino Unido ter declarado guerra ao Império Otomano e de o Egito ser declarado protetorado britânico.
A partir daí participou ativamente na Revolução Árabe contra o Império Otomano. Já promovido a capitão, conheceu o culto e ascético Faiçal, interessado na criação de um Estado árabe independente com capital em Damasco. Em finais de novembro, conseguiu que o integrassem no exército irregular de Faiçal. Lawrence vai ter por missão estabelecer uma aliança entre as tropas britânicas e os exércitos árabes. A partir do inverno de 1917, empreendeu a partir da sua base em Azrak, no deserto sírio, incursões que levaram o oficial britânico Liddell Hart a teorizar a estratégia da ação indireta. A 1 de outubro de 1918, foi um Lawrence deprimido pela falta de cumprimento pelos britânicos dos seus acordos com a Revolta Árabe, e pela perda de dois irmãos em França, que pediu o afastamento ao general Allenby, regressando ao Reino Unido. Em janeiro de 1919, Lawrence participa na delegação britânica e na delegação de Faiçal na Conferência de Paz de Paris, que levou a um acordo desfavorável aos árabes. Refugiado em Oxford, iniciou a escrita de Os Sete Pilares da Sabedoria. Adquirira entretanto uma enorme popularidade através dos seus artigos e da participação na Conferência de Paz. Foi convidado por Churchill, então ministro da Guerra, a colaborar com o governo e teve oportunidade de, na Conferência do Cairo, promover uma zona de influência de Faiçal na Mesopotâmia e um novo reino do Iraque. Conseguido esse acordo aceitável no Médio Oriente, considerou encerrado o seu período árabe. Em agosto de 1921, cansado da lenda em que se tornara e com aprovação de Churchill e do comandante da Força Aérea, Lawrence alistou-se como soldado raso na RAF, sob o pseudónimo de John Hume Ross. Descoberta a sua identidade, foi expulso em janeiro de 1923.Ingressou na Royal Tank Corps, uma unidade de carros de combate, sob o nome T. E. Shaw, e passou o tempo livre a viajar na sua moto Brough Superior, visitando amigos, entre os quais Thomas Hardy. Em 1926, a iminente publicação de Os Sete Pilares da Sabedoria levou-o a partir para a Índia, onde traduziu a Odisseia do grego clássico. Especulações sobre a sua participação em revoltas no Afeganistão forçam-no a regressar a uma base da RAF em Plymouth. Foi aí que faleceu a 19 de maio de 1935, na sequência um acidente de motociclo.


REF: 1780124 Categoria: