Promoção!

O DECLÍNIO DA MENTIRA

10.80 


José Miguel Silva, Miguel Serras Pereira
9789896412852
03/12
104
15,3 x 23,3 cms
Capa Mole
208 gr

«Ao ler e reler Wilde, ao longo dos anos, noto um facto de que os seus panegiristas não parecem ter sequer suspeitado: o facto comprovável e elementar de que Wilde quase sempre tem razão. A Alma do Homem e o Socialismo não só é eloquente: é também justo.» [Jorge Luis Borges, Sobre Oscar Wilde]

O Declínio da Mentira, de 1889, era o texto preferido de Wilde e uma brilhante crítica contra a arte realista e o seu “mons- truoso culto dos factos”. Para o autor de O Retrato de Dorian Gray, os escritores realistas escrevem «romances que se parecem tanto com a vida que a ninguém é possível acreditar na sua probabilidade». Na sua opinião, «a arte nunca exprime outra coisa que não seja ela própria» e daí a sua conclusão de que é necessário «ressuscitar a perdida Arte de Mentir».
Em A Alma do Homem e o Socialismo, texto publicado em 1891, Oscar Wilde apresenta as suas particulares concepções de uma sociedade em que a pobreza resulta do funcionamento do capitalismo e não pode ser resolvida com a caridade e o altruísmo. Para Wilde, o desenvolvimento tecnológico permitirá ao homem trabalhar menos tempo e cultivar a sua personalidade. Mas o que mais lhe interessa no socialismo seria a sua capacidade de desenvolver o individualismo que se exprimiria através da alegria e da arte, numa espécie de helenismo renovado.

«Onde o génio de Oscar Wilde se manifesta com mais poder é em A Importância de Ser Earnest e em dois magníficos ensaios, A Alma do Homem e o Socialismo e O Declínio da Mentira.»
[Harold Bloom, Génios]


«Ao ler e reler Wilde, ao longo dos anos, noto um facto de que os seus panegiristas não parecem ter sequer suspeitado: o facto comprovável e elementar de que Wilde quase sempre tem razão. A Alma do Homem e o Socialismo não só é eloquente: é também justo.» [Jorge Luis Borges, Sobre Oscar Wilde]

O Declínio da Mentira, de 1889, era o texto preferido de Wilde e uma brilhante crítica contra a arte realista e o seu “mons- truoso culto dos factos”. Para o autor de O Retrato de Dorian Gray, os escritores realistas escrevem «romances que se parecem tanto com a vida que a ninguém é possível acreditar na sua probabilidade». Na sua opinião, «a arte nunca exprime outra coisa que não seja ela própria» e daí a sua conclusão de que é necessário «ressuscitar a perdida Arte de Mentir».
Em A Alma do Homem e o Socialismo, texto publicado em 1891, Oscar Wilde apresenta as suas particulares concepções de uma sociedade em que a pobreza resulta do funcionamento do capitalismo e não pode ser resolvida com a caridade e o altruísmo. Para Wilde, o desenvolvimento tecnológico permitirá ao homem trabalhar menos tempo e cultivar a sua personalidade. Mas o que mais lhe interessa no socialismo seria a sua capacidade de desenvolver o individualismo que se exprimiria através da alegria e da arte, numa espécie de helenismo renovado.

«Onde o génio de Oscar Wilde se manifesta com mais poder é em A Importância de Ser Earnest e em dois magníficos ensaios, A Alma do Homem e o Socialismo e O Declínio da Mentira.»
[Harold Bloom, Génios]

REF: 1714046 Categorias: ,