Promoção!

DOIS HUSSARDOS – A FELICIDADE FAMILIAR

15.15  13.64 


Filipe Guerra, Nina Guerra
9789896411459
03/10
176
15.3 x 23,3 cms
Capa Mole
301 gr

Este livro reúne duas narrativas de Tolstói, escritas na década de cinquenta do século XIX.
Dois Hussardos (1856) tem, segundo Italo Calvino, as melhores características da primeira fase criativa de Tolstói.

«Um dos textos em que a “construção” tolstoiana é mais visível é Dois Hussardos, e como este é um dos seus contos mais típicos – do primeiro e mais directo Tolstói –, e dos mais belos, observando como é feito podemos aprender alguma coisa sobre o modo de trabalhar do autor.
Escrito e publicado em 1856, Dois Hussardos apresenta-se como reevocação de uma época já remota, os inícios do século XIX, e o tema é o da vitalidade, irrompente e sem freio, uma vitalidade vista como já longínqua, perdida, mítica. As estalagens onde os oficiais em marcha esperam a muda dos cavalos para os trenós e se depenam uns aos outros jogando às cartas, os bailes da nobreza de província, as noites de boémia “com os ciganos”: é na classe alta que Tolstói representa e mitifica esta violenta energia vital, quase um fundamento natural (perdido) do feudalismo militar russo.» [Porquê Ler os Clássicos?, Italo Calvino]


Este livro reúne duas narrativas de Tolstói, escritas na década de cinquenta do século XIX.
Dois Hussardos (1856) tem, segundo Italo Calvino, as melhores características da primeira fase criativa de Tolstói.

«Um dos textos em que a “construção” tolstoiana é mais visível é Dois Hussardos, e como este é um dos seus contos mais típicos – do primeiro e mais directo Tolstói –, e dos mais belos, observando como é feito podemos aprender alguma coisa sobre o modo de trabalhar do autor.
Escrito e publicado em 1856, Dois Hussardos apresenta-se como reevocação de uma época já remota, os inícios do século XIX, e o tema é o da vitalidade, irrompente e sem freio, uma vitalidade vista como já longínqua, perdida, mítica. As estalagens onde os oficiais em marcha esperam a muda dos cavalos para os trenós e se depenam uns aos outros jogando às cartas, os bailes da nobreza de província, as noites de boémia “com os ciganos”: é na classe alta que Tolstói representa e mitifica esta violenta energia vital, quase um fundamento natural (perdido) do feudalismo militar russo.» [Porquê Ler os Clássicos?, Italo Calvino]

REF: 1712086 Categorias: ,