Promoção!

Diário de Um Homem Supérfluo

12.60 


António Pescada
9789897831768
06/22
88
15,3 x 23,3 x 0,85 cms
capa mole
176 gr

TRADUÇÃO DE ANTÓNIO PESCADA

Tchulkatúrin é um jovem doente que pressente que a sua morte se aproxima e usa as últimas energias para recordar os momentos mais importantes da sua vida. Esta teve como ponto culminante a sua paixão por Liza, uma jovem de dezassete anos, que se apaixona por outro homem, o príncipe N., com quem Tchulkatúrin se bate em duelo. Neste texto de Turguéniev, desenha-se o quadro de uma cidade de província, com personagens medíocres e sentimentais. A novela vai sendo invadida pela sensação de inutilidade de todos os esforços, da fragilidade humana, e por um sentimento da proximidade da morte contrariado apenas pela relação com a Natureza.

SOBRE O AUTOR:
Ivan Turguéniev nasceu em Orel, no Império Russo, em 1818. É considerado uma das figuras mais importantes da literatura russa, ao lado de Dostoiévski e Tolstói. Oriundo de uma família abastada, passou a sua infância em Spaskoe, onde conheceu de perto a vida no campo. De 1834 a 1837, estudou os Clássicos, Literatura Russa e Filologia na Universidade de São Petersburgo, e iniciou-se na poesia e dramaturgia. Um ano depois ingressou na Universidade de Berlim, para estudar Filosofia, em particular Hegel, e História. Durante este período, Turguéniev mostrou um grande interesse na sociedade da Europa Ocidental, defendendo, após o seu regresso em 1841, a ocidentalização da Rússia e o fim da servidão. Em 1843 publicou o poema Parasha, a sua primeira obra a ser aclamada por um dos mais importantes críticos literários russos, Vissarion Bielinski, com quem estabeleceu amizade. Nesse mesmo ano conheceu o grande amor da sua vida, a cantora de ópera Pauline Viardot, filha do tenor espanhol Manuel García e casada com Louis Viardot. Turguéniev vivia ao lado e, por vezes, na mesma casa que Pauline e o marido, e viajou várias vezes com o casal. As histórias publicadas em Cadernos de Um Caçador (1852) contribuíram para o início do seu sucesso literário. Um dos amigos literários de Turguéniev foi o escritor Gustave Flaubert, com quem se correspondeu, partilhando uma mesma visão realista do mundo. Num período de dez anos, de 1852 a 1862, Turguéniev escreveu algumas das suas obras mais importantes e publicou quatro dos seus seis romances, que reflectiam o seu amor por Pauline — Rudin (1857), A Casa da Pequena Nobreza (1859), Na Véspera (1860) e Pais e Filhos (1862). Este último deu origem a grande controvérsia, o que fez com que o autor abandonasse a Rússia. Dos últimos trabalhos de Turguéniev destaca-se O Primeiro Amor. Depois de viver em Baden-Baden e em Londres, fixou-se, finalmente, nos arredores de Paris, onde escreveu o seu último romance, Solo Virgem, e acabou por falecer em 1883, com Pauline ao seu lado.