Promoção!

A TRAGÉDIA DE OTELO, O MOURO DE VENEZA

16.15  14.54 


Manuel Resende
9789896411404
03/10
304
15,3 x 23,3 cms
Capa Mole
472 gr

«Seguimos essencialmente as edições de The Arden Shakespeare e Riverside Shakespeare, as quais, como atrás se disse, seguem, por seu turno, a edição do Fólio, mas recuperando passagens da edição in-quarto. (…)»
«Foi essa a versão adoptada pelas edições Arden e Riverside e foi a que seguimos no texto publicado. Refira-se, a terminar esta parte, que se procurou reduzir as notas ao mínimo absolutamente indispensável. Cremos que a tradução está suficientemente próxima do original para dispensar mais explicações.»
«Otelo é uma tragédia, mas insere na tragédia elementos da comédia. Há quem assinale as semelhanças de certas personagens com caracteres da Commedia dell’Arte italiana, e não há dúvida de que a primeira cena do primeiro acto faz lembrar as facécias de Arlequim (Iago) e do Enamorado (Rodrigo) perante Pantaleão (Bragâncio), fatalmente cómico ao aparecer na sua varanda em camisa de noite.»
«Shakespeare é como um golpe de judo na tradição e isso reflecte-se em tudo o que toca. Por exemplo, nas palavras.»
«Por isso mesmo, por esta peça ser uma peça de enganos, por o seu enredo, a sua história, se construir contra as aparências e talvez contra o público, embora sempre o seduzindo, é que Iago ocupa o maior espaço em cena. É sim um demónio, mas não o demónio medieval. O vício que representa não é o vício da teologia, mas o vício renascentista, e ele próprio explica os seus motivos com base na dialéctica senhor/lacaio, num mundo em que a “antiga graduação” se perdera e em que só conta o interesse individual de cada qual e os seus jogos de influências. Até é um demónio simpático, é o público que assiste à peça e que, não podendo ocupar o trono de Inglaterra, é tentado a contentar-se com pequenas manobras para subir a algum trono mais à mão, mais caseiro.»
«Otelo é porém a continuação da história de Romeu e Julieta depois do casamento e o que se vê não é bonito: o desejo de posse e o demónio do ciúme. O amante colabora inconscientemente com as forças que trabalham para tornar impossível o seu amor: por amor humilha, agride e destrói a coisa amada. Mais um exemplo da riqueza com que Shakespeare trata o seu material.»

[Do Prefácio]


«Seguimos essencialmente as edições de The Arden Shakespeare e Riverside Shakespeare, as quais, como atrás se disse, seguem, por seu turno, a edição do Fólio, mas recuperando passagens da edição in-quarto. (…)»
«Foi essa a versão adoptada pelas edições Arden e Riverside e foi a que seguimos no texto publicado. Refira-se, a terminar esta parte, que se procurou reduzir as notas ao mínimo absolutamente indispensável. Cremos que a tradução está suficientemente próxima do original para dispensar mais explicações.»
«Otelo é uma tragédia, mas insere na tragédia elementos da comédia. Há quem assinale as semelhanças de certas personagens com caracteres da Commedia dell’Arte italiana, e não há dúvida de que a primeira cena do primeiro acto faz lembrar as facécias de Arlequim (Iago) e do Enamorado (Rodrigo) perante Pantaleão (Bragâncio), fatalmente cómico ao aparecer na sua varanda em camisa de noite.»
«Shakespeare é como um golpe de judo na tradição e isso reflecte-se em tudo o que toca. Por exemplo, nas palavras.»
«Por isso mesmo, por esta peça ser uma peça de enganos, por o seu enredo, a sua história, se construir contra as aparências e talvez contra o público, embora sempre o seduzindo, é que Iago ocupa o maior espaço em cena. É sim um demónio, mas não o demónio medieval. O vício que representa não é o vício da teologia, mas o vício renascentista, e ele próprio explica os seus motivos com base na dialéctica senhor/lacaio, num mundo em que a “antiga graduação” se perdera e em que só conta o interesse individual de cada qual e os seus jogos de influências. Até é um demónio simpático, é o público que assiste à peça e que, não podendo ocupar o trono de Inglaterra, é tentado a contentar-se com pequenas manobras para subir a algum trono mais à mão, mais caseiro.»
«Otelo é porém a continuação da história de Romeu e Julieta depois do casamento e o que se vê não é bonito: o desejo de posse e o demónio do ciúme. O amante colabora inconscientemente com as forças que trabalham para tornar impossível o seu amor: por amor humilha, agride e destrói a coisa amada. Mais um exemplo da riqueza com que Shakespeare trata o seu material.»

[Do Prefácio]

REF: 1710032 Categorias: ,