Promoção!

A SUBJECTIVIDADE POR VIR

14.13  12.72 


Carlos Correia Monteiro de Oliveira
9789727089031
2006
170
15,3 x 23,3 cms
Capa Mole
218 gr

Os textos reunidos neste livro foram escritos entre 1998 e 2004. Abordam objectos tão diversos como o cinema, a «cultura popular», a religião, a virtualização do sexo e da vida quotidiana e a ópera. São ensaios críticos, por vezes em diálogo fecundo com a «Escola de Frankfurt». Mas quer aborde o filme Matrix, dos irmãos Wachowski, A Paixão de Cristo, de Mel Gibson, ou a música de Wagner, trata-se sempre, para Zizek, da análise do imaginário ocidental a partir das suas recentes mutações e no sentido de uma reinvenção da subjectividade que tenha em conta as suas relações problemáticas com o real.
Zizek procede assim a uma original reflexão a partir da filosofia e da psicanálise, onde as suas referências maiores são Hegel, Marx e Lacan.

«No universo do pensamento político e da análise da sociedade contemporânea e dos seus tropismos fundamentais, uma figura impôs-se na última década e ganhou o estatuto de estrela fulgurante e omnipresente nos centros de discussão e no circuito editorial internacional. Chama-se Slavoj Zizek (…).»

António Guerreiro, Expresso, 02/09/2006

«Um dos mais heterodoxos e estimulantes intelectuais da actualidade.»

José Mário Silva, Diário de Notícias, 01/09/2006

Nascido em 1949, Slavoj Zizek é psicanalista e filósofo, investigador do Instituto de Sociologia na Universidade de Liubliana, na Eslovénia, e professor visitante na New School for Social Research, em Nova Iorque.
Entre as suas obras incluem-se Bem-Vindo ao Deserto do Real, Elogio da Intolerância, A Subjectividade por Vir, A Marioneta e o Anão (o Cristianismo entre Perversão e Subversão) e As Metástases do Gozo.
O seu último e mais sistemático livro é The Parallax View.


Os textos reunidos neste livro foram escritos entre 1998 e 2004. Abordam objectos tão diversos como o cinema, a «cultura popular», a religião, a virtualização do sexo e da vida quotidiana e a ópera. São ensaios críticos, por vezes em diálogo fecundo com a «Escola de Frankfurt». Mas quer aborde o filme Matrix, dos irmãos Wachowski, A Paixão de Cristo, de Mel Gibson, ou a música de Wagner, trata-se sempre, para Zizek, da análise do imaginário ocidental a partir das suas recentes mutações e no sentido de uma reinvenção da subjectividade que tenha em conta as suas relações problemáticas com o real.
Zizek procede assim a uma original reflexão a partir da filosofia e da psicanálise, onde as suas referências maiores são Hegel, Marx e Lacan.

«No universo do pensamento político e da análise da sociedade contemporânea e dos seus tropismos fundamentais, uma figura impôs-se na última década e ganhou o estatuto de estrela fulgurante e omnipresente nos centros de discussão e no circuito editorial internacional. Chama-se Slavoj Zizek (…).»

António Guerreiro, Expresso, 02/09/2006

«Um dos mais heterodoxos e estimulantes intelectuais da actualidade.»

José Mário Silva, Diário de Notícias, 01/09/2006

Nascido em 1949, Slavoj Zizek é psicanalista e filósofo, investigador do Instituto de Sociologia na Universidade de Liubliana, na Eslovénia, e professor visitante na New School for Social Research, em Nova Iorque.
Entre as suas obras incluem-se Bem-Vindo ao Deserto do Real, Elogio da Intolerância, A Subjectividade por Vir, A Marioneta e o Anão (o Cristianismo entre Perversão e Subversão) e As Metástases do Gozo.
O seu último e mais sistemático livro é The Parallax View.

REF: 1721025 Categorias: ,